terça-feira, 17 de julho de 2012

O Pato, o Cisne e o Empreendedorismo Internacional


Contos de fadas são histórias arquetípicas. Seus enredos se reproduzem o tempo todo, com diferentes personagens, formatos e detalhes. Mas, na essência, são as mesmas estruturas. Duas famosas narrativas do gênero caem como uma luva para a situação brasileira perante o mundo hoje. São as conhecidas fábulas do Patinho Feio, popularizada pelo dinamarquês Hans Christian Andersen, e do Cisne Negro, que faz parte do folclore chinês.

O Brasil nunca fez uma figura tão bela aos olhos internacionais quanto hoje. Tal qual o personagem de Andersen que desde o nascimento penou com descaso, bullying e até o frio do inverno e, já adulto, percebeu-se um dos mais vistosos cisnes do lago, o país vive seu momento de descoberta. Notícias boas vêm de todas as frentes. Em abril, numa das mais recentes, o restaurante D.O.M., de Alex Atala, consagrou-se como o sétimo melhor do mundo na eleição do celebrado ranking da revista inglesa The Restaurant. É um feito. Entre os 100 melhores, figuram ainda o Fasano, de Rogério Fasano, e o Maní, que tem a cozinha capitaneada por Daniel Redondo e Helena Rizzo.

Os brasileiros ainda se surpreendem com casos de reconhecimento como o dos nossos restaurantes. É que ainda estamos nos descobrindo cisnes. Já ouvi muita gente falar que o país está na moda. Não é assim. Moda implica em algo passageiro, efêmero, de estação. O Brasil, na verdade, tornou-se protagonista da própria história. Começa agora a colher os frutos dessa mudança de imagem, mas que ainda está em processo.
Estive em abril na Bélgica a convite da Delegação da Comissão Europeia no Brasil. Nas visitas ao parlamento e em conversas com representantes de organismos da UE os discursos exaltam justamente essa transformação. Não por acaso, em maio do ano passado as duas partes retomaram as negociações para o mais ambicioso acordo de comércio e cooperação política mundial. Entre as metas está a de criar uma zona de comércio livre – ou seja, sem barreiras tarifárias e não-tarifárias - entre União Européia e o Mercosul, que deverá movimentar mais de 200 bilhões de euros anualmente. Seria um mercado integrado de 750 milhões de pessoas.
Ninguém esconde que a volta às conversações se deve, em boa parte, ao momento econômico pelo qual passa o Brasil. Luiz Yáñez-Barnuevo García, eurodeputado presidente da Delegação para as Relações com os Países do Mercosul, reconheceu durante uma conversa com jornalistas brasileiros que, se no passado havia certo desequilíbrio de forças entre os dois lados, hoje os blocos se encontram em posição de igualdade.
Para quem ainda acha que a percepção do sucesso brasileiro não se sustenta, os números das relações bilaterais podem dar uma dimensão de que, sim, estamos de igual para igual. O Brasil investiu mais na UE nos anos de 2007 e 2008 que os europeus no Brasil. E em 2009, de acordo com a DG Trade, a Comissão de Comércio Europeia, o bloco nos passou por pouco: aplicou 7,6 bilhões de euros aqui contra 7,3 bilhões de euros provenientes do nosso lado.
Na atual situação de crise pela qual passa a comunidade europeia aliado a crescimento desigual do PIB entre os 27 integrantes (que variou de 6,1% na Noruega a –4,5%, na Grécia), muitos setores veem o Brasil e o Mercosul como uma grande ajuda, senão uma tábua e salvação para fugir de uma estagnação econômica que alarga fronteiras no continente.
Há problemas para firmar um acordo tão amplo. As principais resistências vêm dos agricultores franceses que expressam temor específico por uma suposta invasão da carne do Mercosul. Do lado sulista, a Argentina teme perda de competitividade com a entrada de veículos sem imposto de importação.
Políticas a parte, só o fato de um acordo como o citado estar sendo negociado com chances reais de sair do papel significa muito. E, mesmo que não aconteça, a porta europeia continuará aberta. Cada vez mais.
É aí que entra na nossa história a segunda lenda citada no início do texto. O Cisne Negro – não por acaso uma fábula chinesa – é uma ave majestosa, que se destaca entre as demais. Mas, para voar, precisa sair do lago, sacudir o excesso de água e tomar um forte impulso enquanto bate suas asas com vigor. Alcançar as alturas é consequência desse misto de ousadia e empenho. O cisne nasceu para voar. Mas para consegui-lo precisa ir à luta, esforçar-se e acreditar no seu potencial.
O D.O.M. de Alex Atala é um cisne negro. Assim como o Brasil pode ser perante a União Europeia. Existem grandes oportunidades à espera dos empreendedores nacionais. E não falo em exportações. Um acordo de livre comércio, é lógico, impulsionaria esse campo lá para a estratosfera. Mas há mais. A Europa é um mercado potencial para empresas que queiram levar sua marca para lá.
Exportar commodities é a demanda primária. Existem outras. As pequenas e médias empresas brasileiras de sucesso lapidaram suas qualidades em meio a crises, planos econômicos e inúmeros obstáculos, como falta de infraestrutura, carga elevada de impostos e falta de crédito. Esses diferenciais podem representar vantagem competitiva, como a própria economia brasileira demonstrou no caso da crise do subprime.
De acordo com a Comissão Europeia de Empreendedorismo e Indústria, os pequenos e médios representam 99% dos negócios do continente. O dado revela como o terreno europeu é fértil ao empreendedorismo. E não necessariamente apenas às iniciativas locais.
Setores mais organizados no Brasil, como o de franquias, já perceberam a chance real de internacionalização das marcas. E se preparam para abrir asas e alçar voo. A vice-presidente da Associação Brasileira de Franquias (ABF), Cristina Franco, afirmou à PEGN que ir para fora é o caminho natural das grandes redes brasileiras. A entidade fechou uma parceria com a agência de Promoção das Exportações (Apex Brasil) para auxiliar as empresas a exportar suas operações.
Durante minha passagem pela capital belga Bruxelas, que reúne grande parte das instituições da comunidade europeia, pude notar que muitos de nossos setores seriam competitivos naquele ambiente. Por exemplo, as marcas de fast food. Existe uma percepção que a cultura dos europeus é avessa à comida rápida. Mas isso tem mudado e representa uma oportunidade aos países com tradição na área. Produtos orgânicos são uma frente na qual também podemos competir. E a lista pode ir muito longe: alimentos funcionais, varejo – especialmente o popular - e calçados.
O ponto principal, na verdade, é que o Brasil não apenas pode negociar em condições de igualdade, mas também ser competitivo em áreas nas quais criatividade e inovação são diferenciais (pode confessar: é uma surpresa ou você já sabia que despontávamos no cenário da alta gastronomia internacional?). Basta que o cisne se enxergue como tal.